Tem gente que está em isolamento profissional desde bem antes da pandemia. E ainda não percebeu.

isolamento profissional

Conhece pessoas em isolamento profissional? Aquela pessoa que, apesar de trabalhar bem e ter boas habilidades técnicas, não é tão reconhecida pelos colegas de área ou de profissão?

Ou aquela pessoa da área da comercial que, apesar de realizar boas vendas e prestar um bom atendimento, não é tão lembrada e indicada pelos próprios clientes? Infelizmente isso acontece.

Por outro lado, algumas pessoas conseguem, sim, ser reconhecidas, comentadas e indicadas pelos seus colegas e clientes próximos. E, também – incrível – por colegas, clientes e até pessoas que nem fazem parte dos seus dia a dias e, mesmo assim, tem uma boa percepção de imagem e assim referenciam. Como elas conseguem isso?

Analisando esses resultados opostos fica claro compreender. O fato é que o trabalho por si só não gera a amplitude de referências e oportunidades que se espera.

O que é completamente injusto, pois o trabalho deveria automaticamente levantar uma carreira e levá-la para novas promoções e metas. E isso até seria possível, talvez, num ambiente com poucos profissionais bons e muitos ruins. Aí, naturalmente, o bom trabalho se destacaria e organicamente elevaria os bons.

Porém, convenhamos, há muito tempo não há mais espaço para profissionais ruins continuarem no mercado. Ou você é bom no trabalho, ou nem consegue se manter e nem construir uma carreira.

E, num ambiente em que há muitos bons profissionais, a diferença de resultados tende a ser bem próxima. A percepção de qualidade profissional, a competência, o conhecimento acumulado, também.

E aí, quando há muitos bons, quem realmente se destaca e merece ser bem mais lembrado do que outros?

É aquele que percebeu que há na verdade dois trabalhos a serem cumpridos e disciplinarmente executados e que formam a vida profissional:

  1. Primeiro, claro, cumprir o trabalho com eficiência e eficácia, lógico;
  2. E, segundo, assumir como trabalho a atividade extra de disseminar suas realizações e ajudar outras pessoas com o seu próprio trabalho.

É por isso que as pessoas que conseguem se esforçam em – sempre que possível – conhecer, conversar, ajudar, explicar, ensinar e aconselhar seus colegas, e também, colegas de outros círculos profissionais e sociais.

Da mesma forma, as pessoas da área de vendas – além de fazerem tudo isso – fazem também para seus clientes atuais, novos potenciais e até antigos. E também para os parceiros de negócios e todo mundo envolvido no seu processo de conquista e manutenção de clientes.

Resumidamente, aquele que não consegue pratica, involuntariamente, o distanciamento e o isolamento profissional e social. E aquele que consegue faz da aproximação profissional e social parte do seu trabalho e do seu dia a dia.

Essa aproximação, claro, exige características pessoais favoráreis como a sociabilidade e a comunicabilidade – habilidades sociais que nem todos possuem em bom nível. Mas que podem, assim como qualquer habilidade, com orientação e prática serem desenvolvidas. Pois, ninguém nasce hábil e pronto para conquistar pessoas, estabelecer laços de confiança, empatia, amizade e bem querer.

Faz parte do nosso crescimento pessoal desenvolver essas habilidades sociais.

O ponto é que nem todos desenvolvem no mesmo ritmo. E nem todos receberam ou criaram chances para que pudessem praticar, se expor, errar e acertar.

Isso faz cada um ter o seu tempo. E normalmente não nos preocupamos em desenvolver mais rápido. E muito menos trabalhar para que isso aconteça mais cedo.

O problema é quando essas habilidades sociais e de comunicação acabam influenciando o desempenho e a performance do seu trabalho. Quando não ter essas habilidades começam a fazer diferença na sua história profissional.

Aí não dá para deixar que a vida resolva essas questões no tempo que for possível. É preciso tratar a aproximação profissional e social como uma tarefa, uma disciplina, um trabalho que precisa ser estudado, praticado e revisto.

Para que se torne um diferencial, uma vantagem, ampliando assim a base de pessoas que conhecem e reconhecem sua competência profissional e, por consequência, suas probabilidades de ser lembrado, visto como referência e indicado por amigos, colegas, clientes e contatos.

O nome dessa disciplina é networking, que envolve também o desenvolvimento de habilidades coletivas como a liderança e, principalmente, o associativismo – mas, esses são assuntos para outro texto.

Isolamento social todo mundo sabe o que é e porque tem sido importante nesse momento. Já o isolamento profissional muita gente, sem querer, já pratica há anos e nem percebe como isso impacta o próprio crescimento profissional.

Então, é preciso mudar essa postura profissional. É preciso aprender e entender as corretas práticas de networking e como aprimorar de modo relevante, simpático e, principalmente, inteligente.

Porque o seu bom trabalho merece ser bem mais reconhecido e valorizado do que é hoje.


Conheça o Curso de Networking e Marketing Pessoal

Escrito por : Marcelo Miyashita

Apaixonado por praticar, aprender e ensinar marketing desde 1995.

Back to top