“Conexões Empreendedoras” cita o professor como exemplo de networking

  • setembro 23, 2010
  • Comentários desativados em “Conexões Empreendedoras” cita o professor como exemplo de networking

O livro “Conexões Empreendedoras – entenda por que você precisa usar as redes sociais para se destacar no mercado e alcançar resultados”, de Renato Fonseca de Andrade, trata da importância de boas práticas de relacionamento nas redes sociais para os empreendedores. E como isso impacta no movimento empreendedor e desenvolvimento de seus negócios.

Na obra, da Editora Gente, o autor cita vários exemplos de profissionais que praticam e usam as redes sociais para empreender e realizar negócios. E ensina como fazer isso.  O prof. Marcelo Miyashita, consultor líder e palestrante da Miyashita Consulting, é citado pelo seu trabalho nas redes sociais e junto à Rede do Bem, a rede colaborativa de indicações de emprego entre seus alunos. Movimento que o professor lidera desde 2006 e que hoje é composto por mais de 4.800 alunos, reunidos durante seus 13 anos de carreira como docente em instituições de ensino e treinador em cursos executivos.

Com a autorização do autor, reproduzimos abaixo o trecho do livro que trata sobre construção de prestígio e credibilidade profissional. O livro Conexões Empreendedoras está à venda nas melhores livrarias. A 1ª edição está esgotada e uma 2ª edição está sendo lançada.

Construção de prestígio e credibilidade profissional

Renato Fonseca de Andrade, Conexões Empreendedoras, ed. Gente, p. 111 a 114

Assim como nas empresas, o nome e o sobrenome do empreendedor são sua marca.  Por analogia, as mesmas ações de comunicação e marketing, que podem ser aplicadas para construir credibilidade e prestígio para a marca de uma companhia, podem também ser usadas pelo profissional individualmente. Os mesmos cuidados também. Afinal, os riscos em relação à reputação de toda marca são grandes, especialmente agora que as pessoas interagem freneticamente, e que as informações são transmitidas em altíssima velocidade para os quatro cantos do mundo.

Acima de tudo, a percepção positiva de uma marca precisa ser construída em equilíbrio com a qualidade operacional do negócio. Talvez seja ainda possível fazer campanhas publicitárias milionárias e alardear as qualidades de produtos e serviços de uma companhia sem que nada daquilo corresponda à realidade. Mas os profissionais de marketing têm hoje a certeza de que o público rejeita – mais cedo ou mais tarde – marcas construídas artificialmente. Os consumidores estão cada dia mais críticos e exigentes, e a decisão de compra é volátil. Se uma empresa faz propaganda sobre suas ações sobre responsabilidade social e, um dia, é denunciada por trabalho escravo ou por poluir um rio, a opinião publica não perdoa: o preço das ações despenca na bolsa de valores ou os produtos encalham nas prateleiras. É bom não se esquecer de que, por uma guitarra quebrada, a Unimed Airlines pagou cerca de 180 milhões de dólares*.

O raciocínio é exatamente o mesmo em relação à imagem profissional de uma pessoa. O prestigio de seu nome e sobrenome no mercado não é apenas reflexo de um ótimo currículo e experiência sólida. Sua imagem de marca começa a ser construída nas primeiras impressões (habilidade de comunicação e vestuário) e se consolida com os chamados três “Cs”: caráter, competência e coração. A partir desse tripé fundamental, é importante, sim, fazer uma ação sistemática de divulgação e ampliação donetworking, e as novas mídias sociais na web são muito úteis nesse caso.

Nos últimos tempos, por exemplo, Paulo Sérgio tem se revelado um dos melhores articuladores sociais que eu conheço, um dos mais capazes de aproveitar o capital social das redes a seu favor. Ele é consultor em administração, criou um blog no qual escreve com regularidade e também tem seu perfil no Twitter. Com bastante freqüência, ele utiliza essas mídias sociais para compartilhar conhecimento sobre a área de gestão. A consistência e a legitimidade do conteúdo que ele doa para sua rede social alimentam a admiração que as pessoas sentem por ele, aumentando o número de seus seguidores. O resultado é que sempre que se encontra diante de alguma necessidade ou dificuldade, Paulo Sérgio recebe a reciprocidade das pessoas e consegue com rapidez e facilidade o que precisa naquele momento.

O prestigio de uma pessoa começa nas primeiras impressões (habilidade de comunicação e vestuário) e se consolida com os chamados três “Cs”: caráter, competência e coração. A partir disso, as ferramentas tecnológicas são úteis pra realizar ações sistemáticas de divulgação e ampliação do networking.

A doação de conteúdo consistente e a reciprocidade se retroalimentam, formando um processo que amplia a confiança e a visibilidade de Paulo Sérgio em sua rede social, operada por intermédio de novas ferramentas tecnológicas. Dessa forma, o resultado é que crescem as inscrições pagas em seu curso sobre modelos de gestão, e ele foi convidado a escrever uma coluna sobre o assunto em uma revista de grande circulação, ou seja, uma coisa puxa a outra.

Marcelo Miyashita, especialista em marketing, é outro profissional que admiro por sua capacidade de articulação: há vários anos ele vem construindo seu prestigio e credibilidade de maneira legitima, compartilhando conhecimentos e oportunidades por meio da Rede do Bem, formada pelos alunos de seus cursos. Claro que está colhendo os resultados desse movimento. Além de consultor e professor, hoje em dia ele é uma fonte constante para entrevistas, participando de revistas, jornais, sites e programas de rádio e TV de grande audiência. Essa atitude de integração amplia sua rede de relacionamentos, e as possibilidades, ainda que indiretas, de gerar mais receita para seus negócios. Isso acontece naturalmente, pois as pessoas indicam somente quem elas conhecem e confiam.

Dando esses exemplos, pode até parecer que estar no Twitter ou manter um blog são obrigações, uma condição sine qua non atualmente para quem precisa de credibilidade e de prestigio profissional. O reconhecimento das competências de um profissional ocorre – com ou sem tecnologia – ao longo de uma trajetória, uma historia de vida: o Twitter pode diminuir distâncias, mas não torna mais rápido e fácil construir relacionamentos de confiança. Hoje, ou como no tempo de nossos avós, as pessoas ainda sentem necessidade de comer juntas um saco de sal antes de conquistar credibilidade.

Essa consideração, porém, não deve servir de escudo para que você evite se expor ao mercado. O excesso de timidez ou de acomodamento pode fazer com que você abra mão das potencialidades das mídias sociais. Por isso, conheça todas as ferramentas tecnológicas que estão atualmente ao seu dispor para fazer marketing pessoal de qualidade, e experimente e escolha as que lhe parecem mais adequadas às suas necessidades. O importante é ter e cultivar sua rede social. Em outras palavras: não tenha um blog porque está na moda e porque “todo mundo tem”; lance um blog ”se e quando” você tiver vontade de compartilhar conhecimento ou divertimento. Alias, o bom humor é muito eficiente para atrair e cultivar bons relacionamentos; é a linguagem universal que pode lhe abrir a porta em muitas redes e aumentar a diversidade de suas relações.

*Referência ao caso do cantor canadense Dave Carroll, que teve sua guitarra quebrada durante um vôo da United Airlines. Ele compôs a musica United breaks guitars e colocou no YouTube, e lá a canção teve mais de 5 milhões de acessos, desvalorizando as ações da companhia aérea em 180 milhões de dólares. A reportagem completa com o resultado do caso está no Times on Line, disponível em:www.timesonline.co.uk/tol/comment/columnists/chris_ayres/article6722407.ece. Acessado em 20/12/2009.

Escrito por : Miyashita Consulting

Nosso negócio é promover e disseminar a prática de marketing pelo caminho da transmissão de conhecimento, aplicado em projetos e treinamentos.

Back to top