“Por que devo contratar você?”, matéria da revista Criativa

  • fevereiro 13, 2012
  • Comentários desativados em “Por que devo contratar você?”, matéria da revista Criativa

A revista Criativa, publicação da Editora Globo, trata de estilo, cultura e comportamento. E também traz dicas de carreira. Na edição de Fevereiro 2012, a revistra apresenta uma matéria sobre comportamento em entrevistas de emprego e como se sair bem.

A matéria conta com opiniões do prof. Marcelo Miyashita. Leia a matéria na íntegra.


Por que devo contratar você?

Especialistas ensinam como se sair bem diante das perguntas (e dos pedidos) mais comuns em uma entrevista de emprego

Julia Moióli. Foto: thinkstock

Fale sobre você.

É um pedido tão amplo que pode confundir até os mais experientes. Primeira dica: não aborde questões pessoais. De forma sucinta, conte como entrou no mercado de trabalho e sua trajetória. “Primeiro, se posicione: quem sou, o que faço e para que sirvo. Depois, defenda isso com realizações, formação e conhecimento”, resume Marcelo Miyashita, consultor da Miyashita Consulting e professor da Fundação Instituto de Administração (FIA), em São Paulo.

Onde quer estar daqui a cinco anos?

Calma, o selecionador não espera uma resposta detalhada. A ideia é entender sua visão de futuro, saber como você equilibra suas ambições com a realidade e como planeja alcançar metas a curto e médio prazos. “Faça o dever de casa e informe-se sobre a companhia. Descubra como se Qual sua relação com o trabalho em equipe?dá o crescimento na organização e alinhe suas vontades a esse plano”, sugere Fernanda Campos, sócia-diretora da empresa de gestão de carreiras Mariaca e responsável pela plataforma M3 – Middle Management Recruiting, serviço para contratação de média gerência.

Qual sua relação com o trabalho em equipe?

“Como o trabalho em equipe é cada vez mais valorizado no mercado, esse tipo de pergunta busca saber como aquele profissional compartilha responsabilidades e informações”, afirma Daniella Correa, consultora de recursos humanos da Catho Online. Mentir ou recorrer a clichês para responder pode pôr tudo a perder. Cite momentos em que você, de fato, teve a chance de delegar tarefas e comunicar feedback.

Quais são seus pontos fortes e fracos?

Só aborde qualidades relacionadas à vaga e conte como as utiliza no trabalho. Ao falar de pontos fracos, use a tática da alavanca. “Aproveite para apresentar habilidades que deseja ter”, diz Miyashita. Citar seus exageros (“Sou autocrítica demais”) é uma opção, mas cuidado para não soar forçado – afinal, defeitos do tipo têm algo de positivo. E diga como ameniza o problema.

Isso é básico
• Seja pontual. Isso indica seu interesse na vaga e sua capacidade de organização. Chegue até 15 minutos antes e, se tiver um imprevisto, avise logo.• Evite roupas curtas e decotes. Segundo pesquisa da Catho Online, a maioria dos recrutadores prefere que as candidatas usem calça e blazer.

• Não cruze os braços. A postura pode sugerir que você não se sente confortável ali.

Fontes: Daniella Correa (Catho Online) e Fernanda Campos (Mariaca)

Por que saiu do último emprego?

Seja honesta e não se alongue no assunto. Bons exemplos: “Saí devido a uma reestruturação”, “Discordava do novo posicionamento da minha área” ou “Queria ampliar meus conhecimentos”. Mas jamais fale mal do antigo chefe ou da ex-empresa. “Isso não é pro­fissional”, ressalta Elai­ne, da Right.

Por que quer trabalhar nesta organização?

“O que a atraiu: o produto, a estrutura, os valores, a vaga, as vantagens indicadas por amigos?”, questiona Elaine Saad, da consultoria Right Management. É esse o tipo de informação que a empresa deseja obter. O problema é quando parece que tudo o que você quer é um salário para colocar as contas em dia. Pesquise sobre a corporação e busque pontos positivos. Mas não exagere com frases como: “Sou fascinada pela área”.

Está disponível para viagens?

Elaine Saad sugere perguntar quais são as expectativas da empresa nesse sentido e explicar sua real situação. Se tem filhos, conte que isso pode trazer dificuldades, mas fique aberta para discussão. “Assim, suas restrições serão entendidas e as chances de dar certo aumentam.”

Qual é sua expectativa salarial?

Acredite, não há pegadinha na questão. “Mencione um valor e mostre-se aberta a negociações”, diz Daniella, da Catho. Ajuda pesquisar antes para saber faixas salariais compatíveis com a função. Ou revele seu último salário e peça para ouvir uma proposta.

 

Revista Criativa, edição 274, Fevereiro 2012, Editora Globo, p. 98 e 99

Escrito por : Miyashita Consulting

Nosso negócio é promover e disseminar a prática de marketing pelo caminho da transmissão de conhecimento, aplicado em projetos e treinamentos.

Back to top